Baixa na produtividade de manga em Livramento está ligada a má formação do fruto, afirma produtor livramentense

Quinta 08 Ago 2019 - 07h49




Baixa na produtividade de manga em Livramento está ligada a má formação do fruto, afirma produtor livramentense

Em 2016, Livramento de Nossa Senhora cultivou 52 mil toneladas de manga, o que conferiu ao município a segunda maior produção da Bahia, de acordo com informações da Secretaria de Agricultura  do Estado. Porém, devido a fatores climáticos como  a chuva mal distribuída e concentrada, o que gera períodos de grande estiagem, produtores locais de manga e maracujá estão diminuindo a produção e safras estão sendo encerradas antes do tempo previsto. Porém, para o produtor livramentense, Gutemberg Carneiro, as dificuldades com o clima são contornáveis. Gutemberg afirmou que, a má formação do fruto, no caso, a manga, é a principal adversidade enfrentada pelos fruticultores livramentenses. “A partir de 2013 mais ou menos, apareceu aquilo que chamamos de ‘manguita’, que na verdade se trata do fruto da manga sem o caroço. É um fruto mal formado. Por tanto, eu atribuo a baixa na produção de manga em Livramento a má formação do fruto”, afirmou Gutemberg.

Quando perguntado sobre o fator que pode causar a má formação do fruto, Gutemberg afirmou que não existem estudos científicos que apontem uma causa. “Não existem técnicos, nem agrônomos ou profissionais ligados à agricultura  que possam apontar uma causa específica. Antes diziam que era o tempo quente e até mesmo a umidade relativa do ar, mas não é. Hoje aparece ‘manguita’ em qualquer época. Por isso, eu interpreto que seja um inseto chamado tríplice que esteja provocando a má formação da manga”, opinou o produtor.

~Gutemberg ainda afirmou que no caso da má distribuição das chuvas em Livramento, a problemática climática foi resolvida com a abertura de poços artesianos. “Nós abrimos poços artesianos. Foram muitos poços artesianos que foram abertos desde 2013, quando enfrentamos um período bastante severo de seca.  Além dos poços, temos o suporte de 12 horas de água da barragem, água doce. A gente coloca um bagaço no pé da mangueira e ela permanece úmida por 8 dias em média”, descreveu o fruticultor.  E o produtor enfatizou que a baixa produtividade por conta da má formação do fruto não é problema específico apenas de Livramento, mas se estende em outras áreas agricultáveis. “Não é somente um caso de Livramento. Deu em Jaíba, deu Xique Xique e deu em Juazeiro. Você pode observar que o preço agora está bom, pois é aquela coisa: se a oferta é menor, o preço é maior”, ponderou.

Para finalizar, Carneiro afirmou que diversificar a produção frutas tem sido a saída encontrada pelos agricultores. “Tenho conversado com muita gente e a solução tem sido plantar outras frutas, como abacate e mamão. Muitos conhecido estão investindo em plantio de abacate na cidade de Rio de Contas. No meu caso específico, meu investimento central é na manga. É claro que não temos os mesmos rendimentos do passado, mas ainda é um bom investimento”, concluiu Gutemberg.

~E como bem disse o produtor livramentense Gutemberg Carneiro, a produção de manga continua sendo uma atividade econômica rentável não somente em Livramento. Tanto é que o projeto de irrigação de Ceraíma, na cidade de Guanambi, a 205 Km de Livramento, deverá elevar a produtividade do cultivo de manga na região. Com a implantação do novo sistema de irrigação, a atividade produtiva deverá ser mais eficiente. Isso por conta do uso de novas tecnologias, cultivares resistentes às pragas e maior capacidade produtiva, abre a expectativa de transformar Ceraíma no Novo Celeiro do Alto Sertão. O Perímetro Irrigado de Ceraíma tem área agricultável de 853 hectares. Em atividade plena pode gerar mais de 1.500 empregos e uma receita anual de R$ 80 milhões por ano. De acordo com informações da Cooperativa Agrícola de Ceraíma,  já passa de 150 hectares a área plantada nestes primeiros meses de funcionamento do novo sistema que foi inaugurado no último dia 02.

 

Fonte - Rádio88FM