Portal Livramento

Portal Livramento

Vinte advogados assinam representação junto ao MP

Quarta 24 Jan 2018 - 14h43




Vinte advogados assinam representação junto ao MP
Foto: Mandacaru da Serra

Vinte advogados foram, ontem, à Promotoria de Justiça de Livramento de Nossa Senhora, Bahia, com o colega Adailton Ferreira Porto Sobrinho, para protocolar representação criminal contra os soldados Lucas Rafael Louzeiro e Fabricio Dias, envolvidos no incidente, dia 21.01.2018, na sede da 46ª CIPM.
Os policiais são acusados de agredir o advogado e seu cliente, Gil Teixeira Pessoa, quando estes foram à 46ª CIPM, segundo alegaram, para fazer uma ocorrência de trânsito e negociar a reparação de danos causados por uma viatura da Polícia Militar.
A representação faz parte das deliberações tomadas, segunda-feira, pela OAB-BA, Subseção de Brumado, que também encaminhará representação junto à PM, desagravo ao bacharel e ação indenizatória por danos morais.
O presidente da Subseção, Osvaldo Laranjeira, disse que já encaminhou o caso ao presidente da Seção Estadual, Luiz Viana, à Comissão de Direitos Humanos e Prerrogativas e à Procuradoria de Prerrogativas da entidade.

MAJOR DIZ QUE HOUVE DESACATO

O major Raimundo Nonato, comandante da 46ª CIPM, em entrevista coletiva, ontem, na sede da corporação, minimizou o fato e criticou a grande repercussão do episódio, dizendo ter se tratado de um “simples incidente de trânsito”.

Destacou que houve duas ocorrências, uma em que, segundo ele, deu-se o desacato a servidor público, no exercício da sua função, referindo-se ao policial. O autor seria o dono do carro avariado, Gil Teixeira Pessoa, que fora algemado e conduzido à delegacia.
Acrescenta que a outra “foi do advogado, que disse ter sido agredido por alguém que ele acredita ter sido um policial, mas que ele não sabe quem é esse alguém. Só disse que estava à paisana, que veio da direção do comando e que o agrediu”.
Ironizou a informação de que havia 14 soldados na ocasião, dizendo que todo o efetivo em serviço, naquele dia, não passava de quatro policiais. Considerou leviana a emissão de opinião sobre o fato antes da devida apuração.
Prometeu apurar as ocorrências, em sindicância interna e com a Polícia Civil, e “Caso tenham ocorrido, vamos adotar todas as providências do nosso regulamento. Se provado erro do policial, ele sofrerá as consequências do regulamento”.

 

Fonte - Mandacaru da Serra




Vinte advogados assinam representação junto ao MP
Foto: Mandacaru da Serra
Comentários

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.