Portal Livramento

Portal Livramento

LIVRAMENTO: ADVOGADO É AGREDIDO POR POLICIAL MILITAR NA SEDE DA 46ª CIPM

Segunda 22 Jan 2018 - 10h32




LIVRAMENTO: ADVOGADO É AGREDIDO POR POLICIAL MILITAR NA SEDE DA 46ª CIPM

O advogado e assessor jurídico do município de Livramento de Nossa Senhora, Adailton Ferreira Porto Sobrinho, foi agredido com um murro no olho direito, na noite de ontem (21), por volta das 20:40 horas, por policial militar ainda não identificado, na sede da 46ª CIPM. O advogado estava acompanhando seu cliente, que momentos antes teve seu carro Ford Ka, cor prata, atingido pela viatura da Polícia Militar, na proximidade da rodoviária, com danos no retrovisor e no paralama dianteiro direito. Advogado e cliente foram à 46ª CIPM tentar um acordo para que os prejuízos no veículo fossem reparados. Contudo, o dono do veículo também foi agredido por policial militar, com murros no estômago, além de ter a arma apontada para seu corpo, precisando sua mulher intervir para que fosse evitado o pior. Após, o dono do veículo ainda foi algemado e conduzido para à Delegacia de Polícia Civil. Doutor Adailton, ainda teve sua carteira da OAB jogada ao chão pelo policial militar, que em seguida apontou a arma para seu corpo, mandando-o correr sem olhar para trás, além de ser ofendido verbalmente. O advogado registrou boletim de ocorrência na Delegacia, em seguida se dirigiu para UPA (Unidade de Pronto Atendimento) onde realizou exame de corpo delito. Em contato com o Portal Livramento, o Presidente da OAB, Subseção de Brumado, Doutor Osvaldo Laranjeiras, disse que foi contactado pelo Presidente da Seccional, Doutor Luiz Viana, que designou o Conselheiro Estadual da OAB, Doutor Acioli Viana, e o advogado Daniel Viana, representante da Procuradoria Estadual de Prerrogativas da OAB para acompanhar o caso. Doutor Osvaldo, agendou reunião para as 14:00 horas de hoje (22), com representantes da OAB/BA e com a vítima para tomar as providências cabíveis.

Comentários
25 Jan 2018
Luciana Oliveira
Que a justiça seja feita. Sou advogada e recentemente passei por um caso parecido. É muito humilhante passar uma situação dessas, além de termos nossas prerrogativas violadas, ainda somos obrigados a nos silenciarmos na frente do nosso cliente para enviarmos uma tragédia.
24 Jan 2018
Capitão
Sou oficial da PM, tenho certeza que os fatos serão apurados e, se forem comprovados como descrito, os policiais militares serão devidamente punidos. A reparação, porém, deve ser buscada na justiça comum!